Tipos de Automação

Embora a automação industrial tenha sido desencadeada, fundamentalmente, pela necessidade de melhorar os níveis de produtividade, as alterações do tipo de mercado têm feito evoluir o conceito de automação.

Quando o mercado era caracterizado pela abundância de produtos iguais e duradouros, em que a economia de escala dominava a cena industrial, a automação era fixa, isto é, a seqüência de operações no sistema era fixada pela configuração do equipamento projetado para um determinado produto.

Embora com taxas altas de produtividade, essas alterações exigiam operações complexas, demoradas e dispendiosas.

Com o aparecimento de um mercado caracterizado pela diversidade de produtos com vida útil reduzida, o sistema produtivo, para dar resposta, teve de se flexibilizar, sem, contudo pôr em causa os níveis médios de produtividade. Assim, a seqüência de operações passa a ser controlada por um programa (listagem de instruções), permitindo a flexibilização do processo automático de produção. Esta mudança provocou alterações ao nível da tecnologia utilizada nos dispositivos de controle.

A evolução tecnológica tem vindo a permitir a implementação de novos sistemas de automação que acompanham as novas concepções das linhas de produção. Podemos distinguir genericamente os seguintes tipos de automação:

- Automação fixa.

- Automação programada.

- Automação flexível.

Vamos seguidamente caracterizar de uma forma resumida cada um destes tipos de automação.

Automação Fixa

Este tipo de automação é caracterizado pela rigidez da configuração do equipamento. Uma vez projetada uma determinada configuração de controle, não é possível alterá-la posteriormente sem realizar um novo projeto.

As operações a realizar são em geral simples e a complexidade do sistema tem, sobretudo a ver com a integração de um elevado número de operações a realizar. Os aspectos típicos da automação fixa são:

• Investimentos iniciais elevados em equipamentos específicos.

• Elevadas taxas de produção.

• Impossibilidade em geral de prever alterações nos produtos.

Este tipo de automação justifica-se do ponto de vista econômico quando se pretende realizar uma elevada produção. Como exemplos de sistemas deste tipo, podemos citar as primeiras linhas de montagem de automóveis nos Estados Unidos.

Automação Programável

Neste caso, o equipamento é montado com a capacidade de se ajustar a alterações da seqüência de produção quando se pretende alterar o produto final. A seqüência de operações é controlada por um programa. Assim, para cada novo produto terá que ser realizado um novo programa. Os aspectos típicos da automação programável são:

• Elevado investimento em equipamento genérico.

• Taxas de produção inferiores à automação fixa.

• Flexibilidade para alterações na configuração da produção.

• Bastante apropriada para produção por lotes (“batch processing”).

No final da produção de um lote, o sistema é reprogramado. Os elementos físicos envolvidos como, por exemplo, ferramentas de corte e parâmetros de trabalho das máquinas ferramentas, devem ser reajustados. O tempo despendido na produção de um lote deve incluir o tempo dedicado aos ajustamentos iniciais e o tempo de produção do lote propriamente dito.

Automação Flexivel

É uma extensão da automação programável. A definição exata desta forma de automação está ainda em evolução, pois os níveis de decisão que envolve podem neste momento incluir toda a organização geral da produção. Um sistema flexível de produção é capaz de produzir uma determinada variedade de produtos sem perda significativa de tempo de produção para ajustamentos entre tipos diferentes. Assim, o sistema pode produzir várias combinações de produtos sem necessidade de os organizar em lotes separados.

Os aspectos típicos da automação flexível são:

Elevados investimentos no sistema global.

Produção contínua de misturas variáveis de produtos.

Taxas de produção média.

Flexibilidade de ajustamento às variações no tipo dos produtos.

Os aspectos essenciais que distinguem a automação flexível da programável são:

Capacidade de ajustamento dos programas a diferentes produtos sem perda de tempo de produção.

Capacidade de ajustamento dos elementos físicos da produção sem perda de tempo de produção.

Fonte: ebah